SBT investiu milhões e recriou São Paulo dos anos 20 para contar, pela quarta vez, a história de 'Éramos Seis'

Novela foi responsável pela retomada da emissora na produção de teledramaturgia e marcou a estreia de Ana Paula Arósio na TV

Por Redação em 03/10/2020 às 18:41:19








TÍTULO
"Éramos Seis"

GENERO
Dramaturgia

SUB-GÊNERO
Telenovela

AUTOR
Rubens Ewald Filho e Silvio de Abreu

DIREÇÃO
Nilton Travesso, Del Rangel e Henrique Martins

ELENCO
Irene Ravache (Lola)
Othon Bastos (Julio)
Jandir Ferrari (Carlos)
Caio Blat (Carlos – primeira fase)
Tarcísio Filho (Alfredo)
Wagner Santisteban (Alfredo – primeira fase)
Luciana Braga (Isabel)
Carolina Vasconcellos (Isabel – primeira fase)
Leonardo Brício (Julinho)
Rafael Pardo (Julinho – primeira fase)
Jussara Freire (Clotilde)
Paulo Figueiredo (Almeida)
Denise Fraga (Olga)
Osmar Prado (Zeca)
Jandira Martini (Genu)
Marcos Caruso (Virgulino)
Nathália Timberg (Tia Emília)
Bete Coelho (Adelaide)
Mayara Magri (Justina)
Yara Lins (Dona Maria)
Wilma Aguiar (Tia Candoca)
Marco Ricca(Felício)
Umberto Magnani (Alonso)
Eliete Cigarini (Carmencita)
Nina de Pádua (Pepa)
João Vitti (Lúcio)
Flávia Monteiro (Lili)
Luciene Adami – Maria Laura
Antônio Petrin – Assad
Angelina Muniz – Karine
Maria Estela – Laila
Nelson Baskerville – Marcos
Chica Lopes – Durvalina
Eliz̢ngela РMarion
Rodrigo Lopez – Alaor
Rosaly Papadopol – Marta
Eduardo Silva – Raio Negro
Felipe Levy РDelegado Gusm̵es
Paulo Hesse – Higino
Clarisse Abujamra РMadame Dora Bulc̣o
Júlia Ianina – Carmencita
Roberto Lima – Lúcio
Paula Cidade – Lili
Carolina Gregório – Maria Laura
Wellington Rodrigues – Raio Negro
Waldenar Dias Jr. – Tavinho
Ana Paula Arósio – Amanda
Carla Diaz – Eliana
Chris Couto – Zulmira
Lia de Aguiar – Dona Marlene
Otaviano Costa – Tavinho
Rosi Campos – Paulette


EMISSORA
SBT

EXIBIÇÃO
09 de maio à 05 de dezembro de 1994

CAPÍTULOS
180 capítulos

SINOPSE

A trama mostra o cotidiano da família de Lola (Irene Ravache) e Júlio (Othon Bastos). Eles formam uma família feliz nos áureos anos 20 de São Paulo, com seus quatro filhos: Carlos, Alfredo, Isabel e Julinho. Mas a "felicidade" é costurada com os desafios do dia-a-dia: a falta de dinheiro, as dificuldades de criar os filhos "rebeldes". A morte de Julio é o primeiro "golpe" do destino para Lola, que perde também o filho Carlos (que morre após uma manifestação popular).

BASTIDORES

Certamente novela mais regravada da TV, a história original de Maria José Dupré já teve outras 4 versões, além desta, do SBT, que foi a quarta. A primeira foi na TV Record (1958). Depois vieram duas versões na TV Tupi (1967 e 1977). A Globo também exibiu um remake no horário das 18h em 2019 com Gloria Pires.

A versão de "Éramos Seis" do SBT, marcou a retomada da emissora na produção própria de novelas. A segunda maior emissora do país havia paralisado seu Núcleo de Teledramaturgia desde "Brasileiros e Brasileiras" (1990). Durante os quatro anos, apenas apresentou novelas mexicanas.

O SBT construiu uma cidade cenográfica repleta de requintes e detalhes. Uma impecável reconstituição de São Paulo da primeira metade do século. Foram contratados cenógrafos, arquitetos, produtores... Segundo informações da imprensa da época, o SBT investiu cerca de 2 milhões de dólares para montar a cidade e comprar novos equipamentos.

Um elenco grandioso de estrelas, muitas delas vindas da Globo e da Manchete, movimentou, como não se via há anos, o mercado. Outros, como Ana Paula Arósio, Caio Blat e Wagner Santisteban e Otáviano Costa, estreavam em novelas.

A versão do SBT foi baseada na trama exibida no final dos anos 70 pela Tupi, escrita por Silvio de Abreu (hoje diretor da Globo) e Rubens Ewald Filho. Este último acompanhou mais de perto a versão do canal de Silvio Santos.

Antes da estreia, a expectativa era de que a trama registrasse algo em torno de 10 pontos de audiência. O SBT não sabia o melhor horário para colocar a trama: 19h45 ou 22h? Na dúvida, exibiu nos dois horários. Segundo o SBT, na época, o horário de maior audiência seria o oficial.

Mediante tanto investimento e aposta numa trama familiar, o público não poderia responder de outra maneira: O sucesso foi inevitável e a crítica consagrou o trabalho de Nilton Travesso, que reativava o Núcleo de Dramaturgia do SBT.

A novela estreou dia 09 de maio de 1994, as 19h30, com média de 12 pontos no Ibope. A reprise no mesmo dia, as 22h, marcou 13. O SBT, adotou uma tática de "guerrilha" para emplacar a novela. O "TJ Brasil", apresentado por Bóris Casoy chegava a ser "interrompido" para que a novela iniciasse, logo após o termino de "A Viagem", na Globo. A partir daí, os números só fizeram crescer! Um mês depois, já marcava médias de 16. Chegou a 20 pontos na faixa das 19h45, que acabou sendo seu horário oficial. A média geral da trama ficou em 15 pontos, uma das melhores médias de novelas do SBT até então.

A novela ainda foi eleita pela APCA (Associação Paulista de Críticos de Arte) a melhor de 1994, com prêmios ainda para Irene Ravache (melhor atriz) e Tarcísio Filho (melhor ator coadjuvante). Após, o SBT continuou investindo em tramas de época como "As Pulias do Senhor Reitor", "Os Ossos do Barão" e "Sague do Meu Sangue".

Comentários