Criada às pressas, novela 'Pai Herói' fez sucesso, mas um de seus desfechos precisou ser explicado, semanas depois, no 'Fantástico'

Por Rodrigo Felício em 09/08/2020 às 09:00:00








TÍTULO
"Pai Herói"

GENERO
Dramaturgia

SUB-GÊNERO
Telenovela

AUTOR
Janete Clair

DIREÇÃO
Gonzaga Blota, substituído por Roberto Talma e Roberto Vignatti

ELENCO
Tony Ramos (André Cajarana)
Elizabeth Savalla (Catarina)
Glória Menezes (Ana Preta)
Lima Duarte (Seu Carajana)
Paulo Autran (Bruno Baldaracci)
Lélia Abramo (Januária)
Carlos Zara (Cesar)
Rosamaria Murtinho (Walkiria)
Beatriz Segall (Norah Limeira)
Alexandra Vasconcellos (Angela Limeira)
Carlos Kroeber (Thiago)
Cláudio Cavalcanti (Gustavo)
Renata Schumann (Lígia)
Isabela Garcia (Angela Limeira)
Maria Fernanda (Gilda)
Monah Delacy (Eugênia)
Yara Lins (Irene)
Emiliano Queiroz (Horário)
Reinaldo Gonzaga (Hilário)
Thais de Andrade (Odete Brandão)
Fernando José (Mario Rener)
Renato Pupo (padre Felício)
Marie Antoinette (Milene)
Fernando Eiras (Romão)
Rejane Marques (Clara)
Jorge Fernando (Cirilo)
Nildo Parente (Haroldo)
Suzana Faini (Jussara)
Danielle Giani (Pia Brandão)
Ivan Candido (Reginho)
Sergio Alan dos Santos (Félix)
Erika Kupper (Helen)
Noira Mello (Olga)
Vanda Costa (Aurora)
Nádia Lippi (Aline)
Osmar Prado (Pedro Varella)
Paulo Gonçalves (Leôncio)
Ana Lucia Ribeiro (Lena)
Flávio Migliaccio (Genésio)
Maria Helena Velasco (Mirtes)
Sônia Regina (Jennyfer)
Dionizio Azevedo (Nestor)
Regina Dourado (Nancy)
Timóteo da Costa (Curió)
Aideé Miranda (Dra. Vanda)
Irma Alvarez (Maria Vitória)
Helio Ary (Alexandre)
Riva Blanche (Nenê)
Manfredo Colassanti (Pietro)
Jonas Bloch (Rafael Baldaracci)
Maria Helena Dias (Filomena)
Rogério Bacelar (Gilberto)
Tessy Callado (Tarsila)
Lucia Helena (Lindaura)
Carlão Elegante (Teodoro)
Lajar Muzuris (Bartolomeu)
Rosana Penna (Laura)
Áurea Hamerli (Lia)
Mário Petraglia (Jurandino)
Elza Gomes (Dona Sebastiana)
Licia Magna (Sdélia)
Paulo Gracindo (Dr. Caio)
Telmo de Avelar (Sandoval)
Luis Orioni (Osório)
Reginaldo Faria (Raul)

EMISSORA
TV Globo

EXIBIÇÃO
29 de janeiro à 18 de agosto de 1979

CAPÍTULOS
178 capítulos

SINOPSE

André Cajarana (Tony Ramos), não conheceu seu pai. Criado em Paço Alegre, Minas Gerais, por seu avô paterno (Lima Duarte), André cresceu achando que seu pai era o tal herói do título, injustiçado e culpado injustamente de roubou e de assassinato. Depois da morte de seu avô, decide se mudar para o Rio de Janeiro e passa a buscar detalhes de sua própria história.

Na capital carioca, descobre que Bruno Baldaracci (Paulo Autran), marido de sua mãe, Gilda (Maria Fernanda), está ligado ao desaparecimento de seu pai, Malta Cajarana.

No Rio, André vive um tumultuado triângulo amoroso com rica bailarina Carina (Elizabeth Savala), que enfrenta opressões de sua família, tradicional, e a suburbana Ana Preta (Glória Menezes), acostumada a se envolver com homens mau-caráter. A coisa se complica quando Carina sofre um atentado e a culpa recai sobre seu amado Andre, que precisa lutar pela inocência. Dada como morta, Carina assume outras identidades e passa a acreditar que Andre realmente é o mandante do crime.

BASTIDORES

"Pai Heroi" foi mais uma novela escrita às pressas pela maga Janete Clair. Lauro Cesar Muniz é quem iria assumir a faixa horária, mas teve problemas de saúde e precisou ser substituído.


A trama teve como base a inspiração numa radionovela chamada "Um Estranho na Terra de Ninguém", veiculada em 1958 para a Rádio Nacional. A Record TV chegou a estudar um projeto baseado nesta radionovela, o que muitos chamaram de remake. Porém, não se trata de uma refilmagem do texto de Janete Clair, apenas na história que serviu de inspiração para a autora.

O tema de abertura da novela, "Pai", cantado por Fábio Jr. virou praticamente um hit atemporal. Até hoje é melodia certa no Dia dos Pais, Brasil afora. Mostrando a força da novela, a música não era inédita. Já havia sido incorporada num episódio da série "Ciranda, Cirandinha" um ano antes. Apenas após entoada na abertura, virou uma "coqueluche" nacional.

Uma das cenas mais memoráveis da novela é com Paulo Autran, no último capítulo. Ele, que viva o grande vilão da história, escapava da polícia, vestido de pierrô. Aliás, a novela marcou a estreia dele, já consagrado no teatro, filmes e teleteatros, em novelas.

O final da novela foi exibido num sábado (chegou a registrar audiência acima de 80% de share em São Paulo e 90% no Rio) e não deixou claro para o telespectador quem tinha assassinado César Reis (Carlos Zara), morto na última semana e um dos grandes suspenses da novela. A tática era inédita, mas o público se revoltou. Janete chegou a comentar o motivo: "O suspense de quem matou César Reis ficou no ar. Como os telespectadores foram de vital importância nesse meu trabalho, quis que participassem também do final. Se quiserem saber a minha opinião eu posso dar".

E ela teve que dar! Semanas depois, a autora Janete Clair gravou uma reportagem para o "Fantástico" explicando o final e para que não houvesse dúvidas, decretava que Bruno Baldaracci era o assassino.

A novela foi reprisada em compacto especial da Globo em 1980, como parte das comemorações dos 15 anos da emissora, e no canal Viva em 2016.

Comentários