'Profissão Repórter': As dificuldades enfrentadas por moradores que vivem em áreas diretamente impactadas pela seca

Por Redação em 12/10/2021 às 11:03:00

O relatório de mudanças climáticas da ONU deste ano apontou que o Nordeste brasileiro é a área seca mais densamente povoada do mundo. O "Profissão Repórter" desta terça-feira, dia 12, mostra a rotina de pessoas que vivem nestas regiões diretamente impactadas pela desertificação. Cerca de 15% do semiárido brasileiro já foi atingido por este processo, que torna a terra improdutiva por conta dos longos períodos de seca, do desmatamento e de práticas agrícolas sem manejo adequado.

Durante 11 dias, os repórteres Nathalia Tavolieri e André Neves Sampaio percorreram mais de dois mil quilômetros pelos estados de Pernambuco, Paraíba e Alagoas para mostrar como está a vida das pessoas que enfrentam as consequências deste fenômeno. Como Ciço, um senhor que vive no Sertão paraibano e durante toda sua vida utilizou a agricultura como forma de subsistência. Hoje, ele não consegue mais cultivar milho nem feijão em sua terra.

No interior do Alagoas, a equipe acompanhou uma família de 12 pessoas que não têm acesso à água e precisa percorrer quilômetros em uma charrete diariamente para encher um barril nas cisternas de familiares. O repórter Pedro Borges esteve em Franca, no nordeste do estado paulista, na região engolida por uma gigante nuvem de poeira, onde a secura espalha sujeira. Os moradores da cidade enfrentam um racionamento desde o fim do mês passado: 36 horas sem água e 36 horas com.

A situação é ainda mais grave nos bairros de periferia. No Aeroporto II, a família de Maria Imaculada, 75 anos, utiliza-se da água estocada em garrafas de dois litros nos períodos de seca. No Jardim Leporace, zona norte de Franca, local repleto de conjuntos habitacionais populares, a escassez de água chega a durar até cinco dias.

O "Profissão Repórter" vai ao ar na noite de terça-feira, dia 12, logo após "Verdades Secretas".


Comunicar erro

Comentários