'Avenida Brasil' virou coqueluche nacional, consagrou Adriana Esteves e parou o país com a exibição do último capítulo

Novela é a mais vendida pela Globo mundo afora.

Por Rodrigo Felicio ([email protected]) em 17/09/2021 às 17:33:50

O "Memória da TV" está prestando uma homenagem às telenovelas, que em dezembro deste ano comemoram 70 anos no Brasil. E nossa viagem, que já começou, é "de trás para frente".

Regularmente, um texto novinho pra você, com curiosidades e muita história.

Quando olhamos para a linha do tempo na faixa das 21h da Globo, não houve, após "Avenida Brasil", exibida em 2012, nenhuma outra novela, pelo menos até agora, que superasse sua audiência.

Escrita por João Emanuel Carneiro, a trama cativou todas as classes sociais e virou assunto em quase todas as conversas ao longo dos sete meses em que ficou no ar. Definitivamente marcou a história das telenovelas!

Repleta de ganchos, 'Avenida Brasil' contou a história de Rita (Mel Maia) que perdeu o pai Genésio (Tony Ramos) após um plano da madrasta Carminha (Adriana Esteves). A vilã contou com a ajuda de seu amante Max (Marcelo Noaves). Após ser abandonada em um lixão, Rita é adotada e, doze anos depois, ressurge como Nina. Ao voltar para o Brasil, é contratada pela ex-madrasta, que não a reconhece. Carminha tem uma vida de luxo, depois que se casou com o ex-jogador Tufão (Murilo Benício). Aliás, para não se afastar do amante, a loira uniu Max com a cunhada Ivana (Letícia Isnard). A partir daí, Nina começa a colocar em prática seu plano de vingança. E esta busca por "justiça", as crueldades de Carminha e a bagunça da família Tufão em torno da mesa de jantar, cativaram o público.


Com um uma linguagem que se aproximava das séries americanas, desde a agilidade e desdobramentos da história até a 'fotografia' das cenas, a produção foi uma das primeiras a virar coqueluche na Internet. Qual tuiteiro ou perfil do Facebook não "brincou" ou repostou um meme com os famosos "oioiois" da música que embalava a abertura. Frases dos personagens como "É tudo culpa da Rita" e "Me serve, vadia!" seguem até hoje no vocabulário do público que, com certeza, ainda se recorda da risadinha do personagem Nilo (José de Abreu).

Adriana Esteves foi alçada de vez ao time de primeira grandeza da Globo com a vilã Carminha. Até hoje, quase dez anos depois, ainda somos impactados por memes e figuras com caretas da personagem.


Diversas cenas marcaram a novela, como Rita ainda criança sendo abandonada no lixão e correndo atrás do carro de Max, Carminha enterrando Nina viva ao descobrir sua verdadeira identidade, Nina se vingando de Carminha e fazendo terror psicológico, Carminha sendo expulsa da mansão por Tufão e bêbada, num caminhão de lixo, pedindo para o motorista "tocar para o Inferno". E claro, a cena final onde Carminha e Nina se reconciliam.

Esperto, João Emanuel Carneiro programava para os sábados um capítulo repleto de reviravoltas. Isto ajudava a novela a ter uma audiência em alta todos os dias da semana.

No último capítulo, o que se viu foi uma movimentação que há muito tempo não se via. Telões foram colocados em diversas praças das cidades Brasil afora. Todo mundo queria ver o desfecho da trama. O "The Guardian", importante jornal britânico, destacou a mudança de agenda da presidente Dilma Rousseff para não coincidir com o último capítulo de "Avenida Brasil". Outros veículos, como a também britânica rede BBC, o Washington Post, um dos principais jornais americanos, e a revista Forbes lembraram que a audiência espetacular da novela poderia causar sobrecarga no fornecimento de energia elétrica – o que acabou não acontecendo.


O "burburinho" ajudou a impulsionar a novela mundo a fora, fazendo a trama se transformar na telenovela da Globo mais vendida no mundo. Ao todo quase 150 países puderam conferir a história de João Emanuel Carneiro.

E não perca nossa "viagem" pelas novelas que entraram para a história da TV!

E veja todos os textos que publicamos, reunidos aqui!

Comunicar erro

Comentários