Apesar de ruim, novela "O Semideus" bate recordes de audiência na Globo

Por Redação em 08/12/2020 às 08:04:35

Veículo: Jornal da Brasil
Data da Publicação: 10/12/1973
Autor: Valério Andrade
Título: A Imposição do Sistema


Em relação a O Semideus vem acontecendo um fenômeno típico da falta de concorrência, Tal situação leva a novela a desfrutar de excelente posição na bolsa do IBOPE - em alguns dias o seu índice alcança 70% contra menos de 10% da Tupi e Rio, juntas - sem, no entanto, satisfazer ao público. É uma posição curiosa, paradoxal, mas facilmente explicável.

Ao contrário do cinema ou do teatro, ou de qualquer outro meio de diversão que exija mobilizacão geográfica, a televisa conta com a enorme (e insuperável) vantagem de ir até ao público. Isto, em resumo, significa que o indivíduo não precisa sair de casa (para, depois de um dia exaustivo, voltar a enfrentar, a batalha do transito) nem gastar dinheiro com ingressos. A grande cidade trabalha a favor da televisão e esta por sua vez atende ao comodismo dos seus habitantes.

Diante disto, fica-se em casa e aceita-se tudo o que aparece na telinha mágica. Atualmente no Rio a falta de alternativa é total. A bem da verdade, deve-se dizer que esse problema já ganhou uma dimensão global, na medida em que, diante da situação caótica reinante na Rio e na Tupi, o canal 4 passou a exercer (e não é de agora) o monopólio da audiência.

A liderança da Globo é indiscutível e tudo indica que, enquanto predominar esse estado de coisas, não se terá nenhuma alteração no que já deixou de ser uma disputa de mercado.

Se isso é bom para a empresa, é péssimo para o público. Particularmente quando ocorre em um veículo poderoso como a televisão. Isto sem falar em questões relacionadas com mercado de trabalho e atitudes de certos chefetes que se julgam chefões. Ou de chefões que agem como ditadores. O monopólio - em qualquer ramo da iniciativa privada - é nocivo à comunidade e perigoso socialmente.

Esse assunto é complexo e exige uma análise mais detalhada.

No caso específico de O Semideus o que lhe garante o sucesso do IBOPE é o sistema Globo e não as qualidades da novela de Janete Clair. Ou seja: o telespectador critica os absurdos diários da novela mas não tem o que ver naquele horário. E a solução radical - acionar o botão depois do Jornal Nacional - é algo que não passa pela cabeça do telemaníaco. A televisão, mais do que uma fonte de diversões, é um hábito, uma válvula de escape para os mil problemas e aflições do dia-a-dia.

Agora, é impressionante o número de leitores que têm reclamado contra as idiotices de O Semideus. É aquele negócio. O público pode ser ingênuo, mas não é imbecil. Ele exige um mínimo de credibilidade na ficção e na conduta dos personagens. Sob esse angulo, e deixando de lado a boa qualidade técnica e o charme dos artistas, O Semideus é um verdadeiro insulto ao bom senso.

E o caso se torna mais escandaloso quando se estabelece qualquer tipo de comparação com Os Ossos do Barão. O público já comparou - e a Globo?